Jaboatão promove roda de diálogo sobre antirracismo no Mês da Consciência Negra

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Tão importante quanto apontar as consequências do racismo na construção de uma sociedade plural e igualitária é estimular iniciativas, e despertar potenciais individuais e coletivos, por meio de exemplos de quem venceu as adversidades. E foi a partir desse pensamento que a Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes, por meio da Secretaria Municipal de Saúde e do Caps-AD Recanto dos Guararapes, abriu as portas, nesta quarta-feira (24), para discutir, no formato de roda de diálogo, temas ligados ao Mês da Consciência Negra.

À frente do debate, o coletivo pernambucano Futuro Black, encabeçado pela consultora em diversidade racial Dayse Rodrigues e pelo jornalista e pesquisador Thiago Augustto, que, entre outras frentes, oferece cursos de qualificação para jovens negros e atua junto a empresas de forma a buscar, por meio da implementação de políticas de equidade racial, a inserção do público-alvo no mercado de trabalho. A mediação do encontro foi conduzida pela coordenadora de Saúde Mental do Jaboatão dos Guararapes, Paula Pereira.

Durante sua fala, Thiago levantou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que apontam que 56% da população brasileira é composta por pessoas negras, mas que, ainda assim, essa parcela continua sendo vista como minoria, segundo ele, por ocupar “espaços mais subalternos da sociedade”. “É por isso que é de extrema importância estar nesses espaços, falando sobre o racismo estrutural e buscando conscientizar a população sobre o tema. Entender que o racismo não só tem a ver com a intencionalidade é o ponto de partida para avançarmos. O racismo está enraizado na sociedade e se reproduz, sobretudo, no silêncio, no viés do inconsciente e na falta de ação”, observou.

A quebra de barreiras por quem “furou a bolha do sistema”, aponta Dayse, acaba sendo um argumento de destaque na hora de estimular o sentimento de protagonismo na juventude negra e, principalmente, na fatia periférica. “Participar da ação foi muito gratificante, por entrar em contato com tantas histórias e pessoas cheias de potencial, que tantas vezes são reduzidas a um ato que aconteceu em sua vida. E a maioria desse público são pessoas negras, que têm sua vida atravessada pelas consequências do racismo estrutural e acabam acreditando em um sistema que diz que sua vida vale menos. Mostrar que eles são potência, que são pessoas cheias de habilidade e com total capacidade de mudar seus caminhos e linha de chegada foi o foco da conversa de hoje”, explicou.

Representante da Prefeitura do Jaboatão na iniciativa, a psicóloga Paula Pereira lembrou que o acesso ao conhecimento sobre o tema é um dos caminhos para combater os danos causados pelo racismo à sociedade. “O objetivo dessa atividade é motivar e empoderar os usuários, mostrando os avanços da luta do povo negro e proporcionar, por meio dos relatos aqui contados e das experiências pessoais, a instigação necessária para que as pessoas aqui presentes busquem novas possibilidades de vida”, pontuou.

Ao final do encontro, Thiago Augustto reforçou que “antirracismo não é um título, é uma prática diária”.